Perigo à vista: conheça os inimigos ocultos do coração

Inimigos coração, Perigo à vista: conheça os inimigos ocultos do coração, Abreu Cardiologia

Apesar de o preconceito ter cedido um pouco, ainda há quem duvide que depressão e transtornos de ansiedade são de fato doenças. Se você é uma dessas pessoas, leia esse post até o final e descubra que, além de doenças, essas condições podem afetar o coração – e não de forma metafórica.

Agora, se você conhece ou já passou por um quadro desses, nos acompanhe nesse texto e saiba por que a depressão e a ansiedade são inimigos ocultos do coração.

Inimigos coração, Perigo à vista: conheça os inimigos ocultos do coração, Abreu Cardiologia

“Tristeza não tem fim…”

Embora esta frase seja o exagero artístico do grande compositor Vinicius de Moraes, quem sofre com depressão e transtornos relacionados, tem essa mesma sensação de que a tristeza não tem fim. Então, antes de mais nada, respeitemos a dor alheia. Isso porque, condições como depressão, ansiedade e síndrome do pânico são desordens mentais muitas vezes negligenciadas por pessoas mais próximas, como familiares e amigos.

É real

E os números não nos deixam mentir: segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente, existem mais de 350 milhões de deprimidos no mundo, isto é, uma verdadeira epidemia.

“Guenta coração”

Como se não bastassem os sintomas dolorosos como tristeza profunda, isolamento social, falta de ânimo, bem como de entusiasmo com a vida, essas desordens mentais agravam e/ou se somam a fatores de risco já conhecidos como inimigos do coração, tais como: obesidade, tabagismo, pressão alta, colesterol elevado diabetes e sedentarismo. Em outras palavras, é muito comum que um paciente depressivo, por exemplo, recorra a vício ou maus hábitos como válvula de escape para sua dor/tristeza.

O que o coração não acredita, a ciência prova

Um estudo apresentado em 2017 no Congresso promovido pela Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, mostrou que o manejo do estresse, bem como o tratamento da depressão e dos transtornos de ansiedade, contribuem para a redução de eventos cardiovasculares – uma vez que tais problemas psíquicos são comprovadamente ameaçadores ao coração.

Cabeça e coração

Já não é novidade que ficar sem dormir pode, a longo prazo, influenciar no aparecimento de diversas patologias. Sendo assim, a insônia é uma vilã que perturba o sono de muitos e é caracterizada tanto pela demora excessiva para dormir, quanto acordar com frequência durante a noite ou despertar antes do tempo adequado.

Em síntese, quem sofre com esse quadro costuma dormir por volta de seis horas por dia, o que implica um risco de 30% maior de desenvolver hipertensão em comparação com pessoas com o ciclo de sono normal. Já os que dormem menos de cinco horas saltam para um risco de 52% maior. Adicionalmente, os pacientes com transtorno de ansiedade generalizada (TAG) demonstram um risco de 30% maior de ter uma doença cardiovascular.

Um vício para afogar as mágoas

Infelizmente, de forma geral, as más condições psíquicas vêm muito mal acompanhada de vícios – as tais válvulas de escape que comentamos mais acima. O alcoolismo, por exemplo, é comumente escolhido como fuga desses problemas, o que coloca esse paciente em um risco ainda maior. Além disso, a obesidade e o tabagismo também podem ser associados à depressão e transtorno de ansiedade, agravando potencialmente as chances de o paciente ser acometido por diversas patologias.

Do fundo do coração

Depressão, ansiedade e síndrome do pânico são doenças graves! Uma vez que eles não configuram um simples abatimento frente aos problemas cotidianos ou um mero capricho, como alguns costumam interpretar. Se você conhece alguém ou está passando por isso, procure tratamento médico e cuide do seu coração.

Gostou do tema de hoje? Então, inscreva-se para receber muito mais dicas e informações sobre saúde. Até o próximo!

Deixe uma resposta

Close Menu